337 municípios

31 microrregões

 

73,17 milhões de hectares

5,9 milhões de habitantes

 

 

 

Fonte: Censo Demográfico 2015. IBGE

Matopiba é o nome dado à região brasileira que integra áreas dos Estados de Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. Com 337 municípios, essa concentração se caracteriza por desafios que envolvem formação e capacitação dos produtores rurais, longas distâncias e uma rede de infraestrutura com importantes deficiências, que incluem escassez de estradas e acessos, problemas com distribuição de energia elétrica e o acesso à internet, entre outros.


Foi nesse contexto que o programa SFTF buscou intervir positivamente na melhoria das práticas de produção sustentável da soja junto aos produtores  locais.

Responsável por 9,7% da produção nacional de grãos (19,7 milhões de toneladas/ano), a região de Matopiba é caracterizada por grandes propriedades e perfis variados de produtores. Do total de 324 mil estabelecimentos rurais, 85% ocupam mais do que 100 hectares. Da agricultura familiar à produção empresarial, as fazendas são comandadas, em sua maioria, por imigrantes gaúchos, paranaenses e membros da comunidade japonesa - fruto de migração ocorrida a partir da década de 1980.

O SFTF trouxe maturidade e consciência aos produtores da região do oeste da Bahia. A partir de processos de formação, diagnóstico e adequação das propriedades, conseguimos, em parceria com a equipe da Solidaridad, educar para o manejo sustentável de soja, melhorar a gestão, aprofundar o entendimento e a prática das legislações trabalhista e ambiental brasileiras, além de preparar as fazendas para a certificação RTRS.” Carminha Missio, presidente do Sindicato Rural Luis Eduardo Magalhãos (SRLEM). 


O SFTF nos possibilitou percorrer 510 mil hectares da região sul do Maranhão e visitar 48 propriedades rurais. Com isso, conseguimos gerar e compartilhar um grande diagnóstico da região: quem são esses produtores? O que eles pensam? Como são as propriedades? Quais as demandas e desafios? Qual o impacto na comunidade? Quais as adequações necessárias? Essa análise, ou banco de dados, se tornou uma grande ferramenta de planejamento e suporte para a região e seus produtores. Dados esses, compartilhados até mesmo com o Ministério da Agricultura.” 
Gisela Introvini, superintendente da Fundação de Apoio à Pesquisa do Corredor de Exportação Norte (FAPCEN).  

© 2016 Solidaridad Network